SÃO GABRIEL WEATHER

GESTÃO DE CRISE GARANTE OFERTA DE TOUROS E MATRIZES NA PRIMAVERA.

A decisão de alterar o período da estação de monta para agosto, setembro e outubro ocorreu há aproximadamente três anos na Estância Luz de São João, de São Gabriel. O proprietário Celso Jaloto tomou a decisão para ampliar a área de soja e obter melhor pastagem no inverno.

O planejamento, que ocorreu sem contratempos e percalços até o outono do ano passado, permitia-lhe ofertar forragem de qualidade aos touros e matrizes Braford a partir de 1° de junho. Porém, este ano foi diferente. Com atraso na implementação das lavouras de soja da última safra, alguns ajustes no sistema de integração lavoura-pecuária (ILP) foram necessários para que todo o investimento no cronograma de reprodução, reposição e comercialização do plantel não fosse perdido.

Sinais anteriores à catástrofe acenderam alerta

Ainda era abril quando Jaloto percebeu a umidade do solo e a água empoçada alertavam para tempos turvos logo adiante. O solo estava encharcado e as plantas já sofriam com a falta de luminosidade. Algumas áreas tiveram até de ser replantadas, estendendo o ciclo da oleaginosa.

O pecuarista não precisou ver mais de um trator impossibilitado de trabalhar a campo para decidir antecipar a semeadura das sementes de azevém sobre a soja ainda não colhida. Porém, sem condições de realizar a sobressemeadura por terra, optou pelo ar.

As plantas ainda não tinham amarelado - premissa para implantar o pasto integrado - quando um avião Ipanema sobrevoou as lavouras. Para otimizar a germinação, as áreas de coxilha foram priorizadas e uma nova investida aérea foi realizada. Dessa vez, para distribuir uma forte dosagem de nitrogênio sobre a gramínea que ainda conseguia emergir.

"A pastagem precisa ter uma certa massa foliar e uma altura mínima para absorver o produto. Isso faz com que ela se desenvolva mais rápido e acelera seu crescimento", pontua o criador.

A aeronave despejou em torno de 100 quilos de ureia por hectare. A quantidade foi o que "salvou a lavoura", mas, nesse caso, a de pasto.

Primeiros animais entraram no pasto em junho

A ação foi o que permitiu à Luz de São João entrar com o gado no azevém há aproximadamente três semanas. Os primeiros a se beneficiar foram os touros que vão a leilão no dia 10 de setembro e, até então, estavam em uma área de pastagem perene bastante utilizada no verão, que ainda resistia à geada.

"Essa é uma categoria animal que a gente tem uma preocupação maior, já que engordar as fêmeas é mais fácil", compara o pecuarista.

Do pasto implantado por avião também se beneficiam as terneiras, as novilhas e as vacas com cria ao pé que também serão comercializadas no remate.

A aposta é que o alto dispêndio para driblar a inesperada escassez nutricional seja compensado pelas promissoras expectativas com relação ao mercado de 2025.

"Este ano, está mudando o ciclo da pecuária e se nota abate maior de fêmeas. Teremos reflexo no ano que vem, quando (o preço) vai voltar a valorizar os terneiros, os animais de reposição, os que têm com valor agregado. Quem tiver produzido vai estar com o caixa na mão", projeta.

Rapidez para ampliar o caixa e reduzir a lotação

Diminuir a carga dos animais por hectare foi algo que também fez com que a Luz de São João conseguisse driblar o cenário incerto e adverso após a calamidade. A prática comumente adotada em períodos de frio, quando há queda no percentual proteico da forragem, veio acompanhada de descartes antecipados para dar fôlego ao caixa e diminuir a demanda alimentar dos Braford rústicos.

Na cabeceira da fila estavam as categorias que estavam prontas para a engorda e os terneiros recém-desmamados. "Acabamos tendo uma despesa um pouco maior, tendo em vista adoção de produtos e tecnologia para acelerar pastagem e para melhorar o campo nativo", justifica Jaloto.

Para enfrentar o julho ainda chuvoso e finalizar a preparação da oferta de setembro, a propriedade ainda deve fazer uma suplementação mineral proteico-energética e lançar mão de feno, pré-secado e silagem para garantir a qualidade do gado.

"Há perda intensa de forragem pela ausência de solo, pasto fica baixo, temos que fazer um planejamento estratégico", ressalta o Coronel Jaloto, como é conhecido entre os companheiros de atividade.

A visão vem ao encontro da percepção do coordenador do Núcleo de Estudos em Sistemas de Produção de Bovinos de Corte e Cadeia Produtiva (NESPro) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Júlio Barcellos, para quem o melhor caminho ao criador é, agora, olhar para dentro da porteira.

"O Rio Grande do Sul, tradicionalmente, tem esse problema do excesso de chuva, mas, para que isso seja minimizado, o produtor precisa ter uma reserva natural de comida, porque nessas épocas o alimento para o gado desaparece", evidencia o professor.

Fonte: Correio do Povo


GESTÃO DE CRISE GARANTE OFERTA DE TOUROS E MATRIZES NA PRIMAVERA. Anterior

GESTÃO DE CRISE GARANTE OFERTA DE TOUROS E MATRIZES NA PRIMAVERA.

PRAZO PARA DECLARAÇÃO ANUAL DE REBANHO NO RS ENCERRA NO DIA 31. Próximo

PRAZO PARA DECLARAÇÃO ANUAL DE REBANHO NO RS ENCERRA NO DIA 31.

Deixe seu comentário